top of page
images.jpeg

 SABE QUEM LEVOU A PAUTA DO ABORTO PARA O SUPREMO?

O portal online do STF informa que a ministra Rosa Weber, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), votou pela descriminalização da interrupção voluntária da gravidez (aborto), nas primeiras 12 semanas de gestação. Ela é a relatora da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, que começou a ser julgada na madrugada de do dia 22 de setembro de 2021, em sessão virtual. O site informa ainda, que a discussão sobre a descriminalização do aborto foi provocada no STF pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), autor da ação, e chegou a ser objeto de audiência pública em 2018, convocada pela ministra Rosa Weber. Esperava que essa iniciativa fosse feita pelo PSOL? Não é de admirar, porque assim como do PT, não há como esperar coisas boas do PSOL também. Eles estão sempre desconstruindo os valores e os bons princípios que restavam de bom em nossa sociedade. Segundo eles, naquela época, o objetivo era debater o tema com especialistas e representantes de entidades governamentais e da sociedade civil. Weber, usou de diversos argumentos, onde um destes, segundo ela, é a falta de consenso sobre o momento do início da vida , tanto na ciência quanto no campo da filosofia, da religião e da ética. Será mesmo que não há consenso? Ou é só mais uma dessas balelas usadas para fundamentar os atos maquiavélicos contra os valores de nossa sociedade? Para Rosa Weber, o argumento do direito à vida desde a concepção como fundamento para a proibição total da interrupção da gestação, como defendem alguns setores, “não encontra suporte jurídico no desenho constitucional brasileiro”. Curioso é que ao analisar esse argumento de Weber, ele é contraditório em si mesmo, pois ela afirma que o embrião é uma vida desde a concepção, em sua expressão: “o argumento do direito à vida desde a concepção” e não é de se estranhar que, com uma análise crítica profunda é possível derrubar um por um de seus argumentos, bem como todos os argumentos fúteis e hipócritas em favor da morte de criancinhas indefesas de até 12 semanas, ou como dizem “a descriminalização do aborto”. O Jornal O Evangélico encoraja que se debata e escreva inteligentemente contra mais esse desatino da esquerda política brasileira e contra os votos do STF a favor do aborto. O mesmo portal informa também que o julgamento foi suspenso por pedido de destaque do ministro Luís Roberto Barroso, e, com isso, prosseguirá em sessão presencial do Plenário, em data a ser definida.

Fonte: https://portal.stf.jus.br/noticias/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=514619&ori=1

COMO VENCER A IMPOTÊNCIA MASCULINA

casal triste.png

   Certo médico achava-se convalescendo de uma operação em um famoso centro de pesquisas médicas. Um dia, estava no gabinete de um ex-colega da faculdade, que era então o diretor do centro, e perguntou-lhe: "Existe algum problema clínico que pareça estar aumentando hoje em dia?" Sem hesitar, o amigo respondeu: "Sim; a impotência masculina. É raro o dia em que não aparece aqui um homem, preocupado, a dizer-me: "Doutor, acho que estou ficando impotente." E tenho visto muitos romperem em lágrimas.
   Depois que o indivíduo completa quarenta anos, seu mais importante órgão sexual passa a ser o cérebro. O tamanho de seus órgãos genitais não tem nada a ver com sua capacidade sexual, mas o que ele pensa a respeito de si mesmo tem. Se ele se considera viril e eficiente, ele o é. Se pensa que é incapaz, ele o é. O velho ditado: "És aquilo que pensas ser", aplica-se muito à capacidade sexual masculina.
   A primeira vez que deparei com um caso de impotência foi após uma palestra sobre" Ajustamento físico no casamento", que fiz em um de nossos seminários. Um homem de quarenta e oito anos perguntou-me se eu achava que havia esperanças para um indivíduo que era impotente havia oito anos. Lastimando interiormente essa tragédia desnecessária, indaguei-lhe como sua esposa encarava o fato. Ao que ele replicou: "Ela se acostumou." Que tristeza!       O desconhecimento dos fatos privara a ambos da chance de desfrutarem de inúmeros atos amorosos.
Pesquisas revelam que a impotência está crescendo a índices alarmantes. E quero dizer que a situação se agravará ainda mais, a menos que os homens aprendam um pouco acerca de si próprios, e que suas esposas também fiquem a par do que podem fazer para auxiliá-los.
   O impulso sexual do homem atinge o ponto máximo entre as idades de dezoito e vinte e dois anos. Daí por diante, parece declinar lentamente, tão lentamente que a maioria deles só se dá conta disso entre os quarenta e cinco e os quarenta e oito anos, e muitos só o detectam já na casa dos sessenta. A primeira vez que um homem sente dificuldade em manter a ereção ou não consegue ejacular, o mal se torna como uma epidemia avassaladora. Em pouquíssimo tempo, ele se convence de que está perdendo a masculinidade, e quanto mais pensar desta forma, mais probabilidade tem de enfrentar outras crises de impotência.
Noventa por cento dos casos de impotência podem ser curados. Lembremos: "Porque, como imagina em sua alma, assim ele é" (Pv 23.7). O coração muitas vezes é indicado como sendo o centro emocional do cérebro; o qual, por sua vez, é o estimulador básico de todos os órgãos do corpo. Se um homem pensar que é impotente, ele sentirá impotente; e se ele se sentir assim, ele é impotente. Podemos, então, ilustrar o problema com a seguinte fórmula: ideia de impotência ± sentimento de impotência = impotência. As pesquisas revelam que quase todos os casos de impotência masculina podem ser curados.
   Crise de impotência — em muitos casos é o primeiro passo em direção à completa impotência. Por uma razão qualquer — dentre as inúmeras que existem — um homem encontra dificuldade em ejacular, após tê-lo conseguido por vários e vários anos. Após esse primeiro fracasso, o medo de ter outro convence-o de que "Estou perdendo as energias", ou então, "Estou ficando velho!" E esse medo provoca sucessivos fracassos. Embora nunca tenha tido dificuldades em manter a ereção antes, é certo que, a menos que resolva o problema do medo, terá outros problemas semelhantes.
   Pênis flácido — é a forma mais comum de impotência, e até há duas décadas atrás afetava principalmente os homens de meia-idade. Atualmente, devido à ênfase excessiva que se dá ao sexo, em nossa sociedade emocionalmente tensa, infelizmente está atingindo a muitos rapazes também. Este tipo de impotência não pode ser atribuído a uma única causa. Geralmente, resulta de uma combinação de vários problemas.Noventa por cento dos casos de impotência podem ser curados. Lembremos: "Porque, como imagina em sua alma, assim ele é" (Pv 23.7). O coração muitas vezes é indicado como sendo o centro emocional do cérebro; o qual, por sua vez, é o estimulador básico de todos os órgãos do corpo. Se um homem pensar que é impotente, ele se sentirá impotente; e se ele se sentir assim, ele é impotente. Podemos, então, ilustrar o problema com a seguinte fórmula: ideia de impotência ± sentimento de impotência = impotência. As pesquisas revelam que quase todos os casos de impotência masculina podem ser curados.
   

QUAIS AS CAUSAS DA IMPOTÊNCIA MASCULINA?

Para vencer a impotência, primeiramente tem de saber a causa. É difícil apontar uma causa única, pois a impotência resulta da associação de vários fatores. Quaisquer que sejam as causas, porém, isso significa uma enorme tortura emocional para o homem. Este problema merece atenção cuidadosa, pois um grande número de casos pode ser curado, se o marido e a esposa estiverem dispostos a esforçar-se para isso. O primeiro passo no sentido de se curar esta disfunção é compreender suas causas mais comuns.


1. Perda de energia vital. Raros são os atletas profissionais que continuam a jogar ativamente após completarem quarenta anos de idade. A maioria deles pára entre os 32 e os 35 anos: seus ossos se tornam mais quebráveis, os músculos contundidos demoram mais tempo para se refazerem, e seu vigor começa a fenecer. Esses homens, naturalmente, não deixam de ser homens. A maior parte deles adota outra profissão, e leva uma vida bastante ativa.
   Da mesma forma, um homem que sofre de impotência causada pela perda das energias vitais não deve encarar o problema como uma espécie de castração. No fim da casa dos quarenta, ou início da dos cinquenta, seu impulso sexual não é o mesmo dos vinte anos. Entretanto, não deve pensar que está sexualmente acabado. É verdade que naquela idade, provavelmente, ele não precisará ter relações sexuais com a mesma frequência que observava na casa dos vinte; seu pênis pode não se manter rijo como anteriormente, e pode até ter alguns fracassos vez por outra, mas, de forma alguma, isso significa que esteja acabado. Aliás, nessa fase, com a ajuda e compreensão de uma esposa amorosa, ele pode chegar a gozar algumas das experiências sexuais mais satisfatórias de toda a sua vida.

 

2. Raiva, amargura e ressentimento. Durante muitos anos, tenho feito uma pergunta a homens impotentes: "Existe alguém de quem você não gosta?" Certa vez, um piloto de aviação, mal chegado aos trinta anos, procurou-me, e, após várias tentativas acanhadas de falar-me acerca do problema que o afligia, disse abruptamente: "Sou impotente!"

   Olhando para aquele belo espécime humano, com a figura de um atleta, mal pude acreditar naquilo.
Perguntei-lhe: "Como está seu relacionamento com sua mãe?" E ele respondeu irritado: "Será que é preciso falar sobre ela?" "Já que você reage dessa forma, acho melhor falarmos", respondi.
   Então, ele passou a dar-me informações sobre "aquela bruxa", que se passava por sua mãe. Humanamente falando, ele tinha razão para pensar daquele modo, pois se ela realmente era como ele descrevera, devia ser uma megera.
   Somente depois que aquele jovem se ajoelhou e confessou a Deus o ódio que tinha pela mãe, foi que conseguiu realizar atos sexuais normalmente com a esposa. De algum modo, ele transferira seu ódio, inconscientemente, para a esposa, e reprimira totalmente seu impulso sexual. A impotência é o alto preço que se paga por abrigar este tipo de amargura. Mas uma mãe dominadora não é a única pessoa que pode tornar o filho impotente, devido ao ódio. Um chefe, um vizinho, o pai e a esposa, naturalmente, podem provocar a mesma reação. Pensamentos e emoções pecaminosos não somente abafam o desejo sexual natural do homem, privando-o e à sua esposa de muitas e maravilhosas expressões de amor, mas também o tornam um pigmeu, espiritualmente falando.
   O Senhor Jesus disse: "Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará as vossas ofensas." (Mt 6.14.) A única terapia eficaz que conhecemos para tais casos é resolver a questão no plano espiritual.
   Alguém já disse, aliás com muita sabedoria: "Ame ou morra!"

 

___________________________

Fonte: Livro Ato Conjugal – Thim 

bottom of page